A escolha do aluno: escola ou professor

12 abr

O que influencia sua decisão ao escolher uma escola de dança?

  • Já ouviu falar dela?
  • Alguém que já fez aula indicou?
  • Passa em frente?
  • É perto de casa ou do trabalho?
  • Viu um anúncio?
  • Encontrou na internet?
  • Conhece os professores?

Geralmente o primeiro contato do aluno é com a escola, ou seja, eles entram na escola de dança por causa dela mesma.

Depois que estão lá, fazem aulas com um ou mais professores, e adquirem afinidade com alguns. Porém, por trás do professor continua existindo a estrutura da escola.

Em qualquer ramo de negócio, é uma grande falta de ética quando um colaborador leva os clientes de uma empresa para outra. Sim, o cliente é livre para escolher qual a melhor empresa para ele, porém o ideal é que esta decisão seja somente dele e não influenciada por alguém que presta serviços para ele.

Em qualquer empresa, colaboradores saem e vão para outras. Abrem portas para novas oportunidades, na maioria das vezes sem fechar as portas dos lugares em que já passaram. Levam consigo toda experiência que adquiriram, mas não tentam levar os clientes.

Um professor reconhecido e famoso tem alunos que vão onde o professor estiver. Mas, em relação ao número de professores de dança, são poucos estes casos.

É o aluno que escolhe a escola e o professor, e não o contrário. A concorrência entre as escolas deve ser algo saudável, cada uma fazendo o seu melhor, e existem alunos para todas! Sempre tem alguém que vai se identificar mais com uma ou com a outra.

Porém é uma enorme falta de ética quando o professor esquece que o aluno não entrou por causa dele e que tem a coragem de convidar os alunos para mudar de local com ele. Pior ainda fazer um acordo em uma nova escola, tentar uma porcentagem maior para o próprio professor, um desconto para os alunos que ele acha que são “dele”, e assim destruir todo o trabalho realizado pela escola de origem.

Quando um professor íntegro quer sair da escola onde está, fala com a diretoria e acerta sua saída, sem sugestionar os alunos a sair com ele. Conhecer novos horizontes é algo extremamente saudável, pode-se encontrar um lugar melhor ou descobrir que onde estava antes era ótimo e isto você só vai saber vivenciando. Isto pode ser feito de uma forma positiva, mantendo as portas abertas ou desrespeitando o local que foi a fonte de trabalho e sustento do professor. É o caráter do professor que vai definir como ele vai agir.

Por outro lado, o aluno pode perceber que ele tem o poder de decisão e que não vai contribuir com esta falta de ética, simplesmente não seguindo o professor que faz o convite. Ele pode relembrar os motivos que o levaram para a escola, na maioria dos casos perceber que não entrou por causa do professor e dar a chance de conhecer outros professores, outras turmas, e quem sabe um novo professor que vai entrar no lugar do que saiu. Se a escola tem estrutura e qualidade, ela sempre terá bons professores.

Em qualquer área da sua vida, você contrata um profissional se já souber que ele já agiu sem ética ou sem caráter?

Como aluno, você pode escolher se quer ter aulas com professores éticos, que sempre vão agir com honestidade e profissionalismo em qualquer situação. Pode se questionar se um professor que está agindo de forma errada em uma escola, não vai fazer a mesma coisa com você no futuro.
A relação professor-aluno é como qualquer outro relacionamento. Envolve cumplicidade, segurança, admiração e confiança, entre outras coisas.

Escola ou professor: pense bem na sua escolha.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>